GDDN O Centro de Projetos e Desenvolvimento do Gripen

O Centro de Projetos e Desenvolvimento do Gripen  (do inglês, Gripen Design and Development Network - GDDN) é um hub de transferência de tecnologia, que está localizado na planta da Embraer em Gavião Peixoto, uma pequena cidade do estado de São Paulo com pouco mais de quatro mil habitantes.


O Centro de Projetos e Desenvolvimento do Gripen (do inglês, Gripen Design and Development Network - GDDN), inaugurado em novembro de 2016, é um marco importante para o Programa Gripen Brasileiro, pois lá é a base da transferência de tecnologia e acontece o desenvolvimento dos caças no Brasil. Engenheiros brasileiros e suecos trabalham juntos, no GDDN, no desenvolvimento do Gripen E / F em áreas como sistemas de veículos, engenharia aeronáutica, design de estruturas, desenvolvimento de software, instalação e integração de sistemas, aviônica, interface homem-máquina e comunicações.

O hub de transferência de tecnologia está localizado na planta da Embraer em Gavião Peixoto, uma pequena cidade do estado de São Paulo com pouco mais de quatro mil habitantes. O GDDN foi implantado com a missão de ser o eixo central de grande parte do desenvolvimento tecnológico do novo caça do Brasil pela Saab e pela Embraer, junto a outras empresas e instituições brasileiras parceiras, como AEL Sistemas e Atech.

O GDDN é a materialização de um projeto grandioso entre o Brasil e a Suécia. Por meio do GDDN, o Programa Gripen Brasileiro dará relevante autonomia para a Força Aérea Brasileira (FAB), incluindo suporte logístico e integração de armas e sistemas, representando uma grande melhoria nos processos da FAB para as evoluções da aeronave.

O GDDN fornece uma conexão segura com a Saab, na Suécia, o que permite a execução conjunta de projetos de desenvolvimento, testes e verificação do Gripen, assim como sistemas de suporte, nesse ambiente. "Esse tipo de experiência agrega positivamente à carreira de todos os envolvidos por conta da interação com outros profissionais de culturas diferentes. A conexão direta com a Suécia nos permite um fluxo mais fácil de tomada de decisão e prosseguimento na concretização e desenvolvimento do Gripen. Isso não tem preço, pois se trata de uma oportunidade única de participar do ciclo de desenvolvimento de um caça para o Brasil", diz Felipe Langellotti Silva, engenheiro de desenvolvimento de produtos da Embraer.

Além do desenvolvimento do Gripen E (monoposto), a maior parte do desenvolvimento do Gripen F (biposto) está sendo feita no GDDN por engenheiros brasileiros, com o suporte da Saab. Inicialmente, o Gripen F está sendo desenvolvido exclusivamente para a Força Aérea Brasileira e, dos 36 caças adquiridos pelo Brasil, oito serão bipostos.

Em novembro de 2019, o S-Rig, abreviação de Systems-Rig, o primeiro simulador de desenvolvimento do Gripen fora da Suécia, foi inaugurado no GDDN. O S-Rig é usado para testes de desenvolvimento e integração do Gripen, além da verificação de sistemas e subsistemas. O S-Rig também dará suporte às atividades do Centro de Ensaios em Voo do Gripen (do termo em inglês Gripen Flight Test Center - GFTC), que será instalado no GDDN no último trimestre de 2020.

A transferência de tecnologia aplicada ao Programa Gripen Brasileiro precisa de profissionais especializados e incentiva o Brasil a aprimorar, de forma positiva, seus programas de pesquisa e desenvolvimento na indústria aeronáutica. Adquirindo toda essa tecnologia indica que o setor também está preparado e pronto para apoiar a Força Aérea Brasileira na operação, manutenção e nas atualizações futuras do Gripen.