Radar de maior alcance com o sistema Erieye da Saab

Oferecendo um horizonte de radar significativamente ampliado para opções terrestres e navais, o sistema de radar Erieye da Saab, um Sistema Aéreo de Alerta Antecipado e Controle, é próprio para aplicações de defesa e também de salvamento.

Os países da América da Latina enfrentam desafios importantes para proteger suas fronteiras, defender seus extensos litorais e monitorar atividades secretas em solo.

Para saber o que está acontecendo em seus arredores, os governos dessa região precisam obter uma imagem clara das ameaças terrestres, marítimas e aéreas em potencial. O sistema de radar Erieye de Alerta Aéreo Antecipado e Controle (AEW&C), da Saab, proporciona consciência situacional detalhada com versatilidade e a um preço justo.

O sistema Erieye coloca as antenas em elevadas altitudes com o objetivo de ampliar o horizonte do radar muito além do que é possível com os sistemas de radares terrestres – em solo ou no mar. É usado em diversas plataformas de aeronaves, incluindo o Saab 2000.

Os países que utilizam atualmente o sistema de radar Erieye são México, Brasil, Grécia, Paquistão, Tailândia, Emirados Árabes Unidos e Suécia. Estão sendo utilizados entre eles mais de 20 sistemas.

Vantagens em relação aos radares navais

Stefan Behre, diretor sênior de vendas da Saab para a América Latina, afirma que um radar naval no mastro de um navio poderia estar a 10 ou 15 metros acima do nível do mar, e isso significa que o horizonte do radar poderia ser inferior a 40 quilômetros de distância. Se houver um alvo voando baixo, ele não será detectado até que esteja muito próximo. “Em comparação, o horizonte do radar de uma aeronave de alerta antecipado, patrulhando a aproximadamente 10.000 metros, é superior a 400 quilômetros, e o sistema Erieye é capaz de localizar um objeto tão pequeno quanto um jet-ski”, explica.

Vantagens em relação aos radares em terra

Behre afirma que terrenos acidentados como o da Bacia Amazônica podem limitar extremamente o campo de visão de um radar terrestre, e um piloto experiente sabe como evitar ser detectado. “Além disso, o horizonte do radar terrestre limita o desempenho”, acrescenta. “Mesmo que você tenha um radar de longo alcance, não detectará alvos voando baixo a uma distância de mais de 100 a 120 quilômetros, ou até menos.”

Importância para a América Latina

México e Brasil já empregam os sistemas Erieye, e um dos principais usos é no combate ao tráfico de drogas. O Erieye consegue detectar e monitorar qualquer aeronave operando em extensas faixas de território, com um campo de visão tanto ascendente quanto descendente.

Outras utilizações civis

Na ocorrência de uma catástrofe natural, o Erieye pode ser usado em missões de busca e salvamento para coordenar ações terrestres e aéreas. Alguns países o utilizam para controlar o seu espaço aéreo quando aeronaves estiverem transportando pessoas para reuniões de cúpula e para outros fins, como detectar pesca ilegal em seus litorais. “Um único sistema pode ser usado para diversos fins”, explica Behre. “Durante uma situação envolvendo reféns no Peru há alguns anos atrás, o Brasil prestou auxílio com o seu sistema Erieye e conseguiu detectar comunicações via rádio que permitiram ao Peru localizar os reféns.”

Aplicações militares

O Erieye pode ser usado como um centro de comando e controle para apoiar combates aéreos em situações de conflito. Ele é capaz de localizar helicópteros, mísseis e alvos no mar e no ar, em todas as altitudes.

Suporte ao Cliente

“Antes que um cliente decida comprar um sistema Erieye, gostamos de nos reunir com ele para discutir como pretende utilizá-lo”, comenta Behre. “Dessa forma, podemos recomendar um pacote de serviços e ajustá-lo às suas necessidades. Por um lado, podemos cuidar de toda a parte de manutenção e serviço, garantindo que o sistema esteja sempre pronto para funcionar, ou, por outro lado, o cliente pode decidir cuidar de tudo, mantendo um canal aberto conosco para solicitar reparos, se necessário”. O pacote final também pode ser algo entre esses dois extremos.

“No México, por exemplo, fornecemos serviço remoto 24 horas por dia, sete dias por semana”, explica Behre. “Se houver um problema, é só nos ligar. Podemos, então, reproduzir o problema em um sistema backup na Suécia e oferecer uma solução. Os engenheiros também viajam para o México duas vezes ao ano para tratar de quaisquer outras questões. Além disso, o México tem um estoque de peças sobressalentes, então, se uma peça falhar, eles podem substituí-la por uma sobressalente e nos enviar a peça com defeito para conserto”.