O lar do Gripen no coração da OTAN

A frota de Gripens da República Checa está em operação há mais de uma década. O desempenho excepcional do sistema, conforme demonstrado durante exercícios e mobilizações da OTAN, fez crescer o interesse de outros países da Europa Central.

Em uma tarde ensolarada na base aérea tcheca de Čáslav, o Capitão Jan Ducha aguardava próximo à pista o retorno de um dos 14 Gripens da Saab que ele jura amar e cuidar como se fossem seus próprios filhos.

"Lindo, não é?", sorri o comandante do Centro Operacional de Manutenção de Čáslav, assim que as asas cinzas em formato delta e a silhueta azul do Gripen surgem finalmente contra os verdes campos que circundam a base. "Temos esses aviões há mais de uma década, mas vê-los voltar ainda me dá prazer".

Em junho de 2004, os governos da Suécia e República Checa assinaram um acordo de arrendamento de dez anos por 12 Gripen C monoposto e dois Gripen D biposto. O voo inaugural aconteceu menos de um ano depois, em abril de 2005.

"Fora os próprios suecos, a Força Aérea Tcheca foi a primeira a pilotar o Gripen", observou o Tenente-Coronel Jaroslav Mika, comandante do Esquadrão 211 de Čáslav. "Fomos nós tchecos que provamos que o Gripen era completamente compatível com a OTAN".

Hoje, os caças Gripen tchecos desempenham o seu papel em exercícios do Grupo de Combate da União Europeia e no sistema entregado de defesa aérea e antimísseis da OTAN. Por exemplo, o Esquadrão 211 foi duas vezes o principal responsável por assistir a força tarefa da OTAN de Policiamento Aéreo da Islândia. O esquadrão já realizou missões similares de defesa na Estônia, Letônia e Lituânia.

Entre as missões, a equipe de Míka participa frequentemente dos exercícios anuais "Tiger Meet", criados para incentivar a solidariedade entre as forças aéreas da OTAN. Em 2015, a base aérea de Čáslav recebeu o exercício multinacional trienal "Lion Effort", que teve a presença de aeronaves Gripen visitantes da Hungria e Suécia, enquanto pilotos do Gripen da Força Aérea Real Tailandesa pilotaram a aeronave tcheca biposto.

"Trocamos dicas e comparamos anotações sobre como melhorar ainda mais o surpreendente tempo de 10 minutos para reabastecer e retornar ao combate", destacou o Tenente-Coronel Jörgen Axelsson, que liderou o contingente sueco no Lion Effort. "Acima de tudo, somos muito gratos pela honra de sermos pagos para pilotar aeronaves tão incríveis!"

O governo tcheco já estendeu o arrendamento dos seus Gripen até 2027 (com opção para mais dois anos). O governo da Hungria chegou à mesma conclusão e ampliou o prazo de arrendamento da sua própria frota de 14 Gripen C/D compatíveis com a OTAN até 2026.

Os pilotos do Gripen da base de Čáslav estão animados com uma série de atualizações já agendadas de software e hardware. "Já disse isso muitas vezes: podemos e faremos melhorias e atualizações conforme a tecnologia avança", disse o Tenente-Coronel Míka, "mas a versão C/D do Gripen constitui o cerne das nossas capacidades. Somos passageiros em uma jornada muito empolgante, e não temos intenção de sair tão cedo!"